Estudo extraído do site www.atosdois.com.br
Clique aqui para imprimir

O Drama de Jonas

Tipo: Estudos bíblicos
/ Autor: Pr. Rodrigo M. de Oliveira


O Drama de Jonas !!!

“Porém, Jonas se levantou para fugir da presença do Senhor para Társis. E descendo a Jope, achou um navio que ia para Társis; pagou, pois, a sua passagem, e desceu para dentro dele, para ir com eles para Társis, para longe da presença do Senhor.” Jonas 1:3

Por que Jonas, o profeta, ficou indignado (irado) ?

Quando se fala de Nínive, nos lembramos de Jonas. Quando se fala de Jonas, nos lembramos de Nínive.

Nínive era a capital da assíria. Dois nomes, Nínive e Assíria, são intercambiados, usados para designar a mesma potência. A cidade era assustadora. Além do poderio militar, que a fez assombrar o mundo por pelo menos meio milênio, Nínive era de uma incrível crueldade, além de seu grosseiro paganismo. Um de seus métodos para tratar os vencidos era o do empalamento: atravessar a pessoa com uma estaca afiada, que ia do ânus em direção ao tronco. O esfolamento, em que a pele da pessoa era tirada, com prática e com requintes de desumanidade; era um outro método de tratar os vencidos. Geralmente, conquistada uma cidade, alguns de seus habitantes eram levados como escravos para trabalhar na construção, mas outros, impossibilitados para o trabalho forçado, como doentes e idosos, eram levados como exemplo. Às portas de uma outra cidade sitiada, eram empalados ou esfolados, como sinal do que aconteceria aos moradores da cidade cercada se esta não se rendesse.

Em matéria de crueldade, Nínive era imbatível.

Níninve era bem protegida. A cidade media 48 Km de extensão por 16 de largura, sendo protegida por cinco muralhas e três fossos. A chamada “Nínive interior”, que era a capital propriamente dita.

A segurança geográfica aliada ao seu poderoso exército fez da Assíria uma nação arrogante. O que acontece comumente com os poderosos. Ela se julgava imbatível, acima das demais. Ela fazia as suas próprias leis. Assim podemos ter uma idéia do signficado aterrorizante dos ninivitas para as nações do Oriente Médio antigo.

Társis: Társis ficava ao sudeste da atual Espanha, a uma distância de aproximadamente 4.000 km de Israel. Era, portanto, um dos lugares mais remotos em relação à terra santa, em direção oposta a Nínive.

Nínive ficava a 3 dias de caminho de Jope (Jope é que ficava na divisa com a água de um lado e com Jerusalém).

Jope fazia divisa com Jerusalém.

Jonas pegou o navio em Jope que ia para Társis.

No mapa Nínive ficava à direita de Jope e Jerusalém

O Chamado de Deus é pessoal.

Uma das coisas mais fascinantes da Bíblia é que ela é acima de tudo um livro que fala de um Deus que se relaciona diretamente e pessoalmente com os seus escolhidos. Deus é o Deus de Abraão, Isaque, Jacó, José, Moisés, Josué, Samuel, Davi, Pedro, Paulo, João, Jonas...
As relações com Deus se dão de forma pessoal. Deus não nos vê como um número nas estatísticas celestiais. Embora Apocalipse descreva a multidão dos eleitos como de tal dimensão que não se podia enumerar. Cada um deles tem um nome, um rosto uma história da qual nenhum detalhe é esquecido por Deus.

Deus se lembra do dia, da hora, do minuto e dos segundos quando você nasceu. Deus se lembra do momento em que você chorou ao nascer. Deus se lembra do sorriso de sua mãe ao vê-lo. Deus se lembra do dia em que você deu os seus primeiros passos. Deus se lembra de quando nasceu o seu primeiro dente. Deus se lembra do seu primeiro aniversário e de todos os demais. Deus se lembra de todas as vezes que você chorou. Deus se lembra de todas as vezes que você se viu aflito. Deus se lembra de quando você teve catapora. Deus se lembra de quando você se machucou jogando bola. Deus se lembra de quando você ganhou a sua primeira boneca e da sua alegria ao recebe-la.

Deus se lembra de todas essas coisas, não apenas porque Ele é um Deus onisciente, não apenas porque Ele é eterno, mas, porque para Ele você é especial, porque Ele te ama, porque Ele te escolheu, porque cada detalhe da sua vida é importante para Ele.
É por essa razão que há um livro que é escrito para contar a história de um profeta, desobediente, insensível, egoísta no que diz respeito à salvação, mas, que é escolhido por Deus e o seu nome é registrado para memória permanente.

O Deus do universo, de todas as estrelas, de todos os anjos dos céus, da multidão incontável do Apocalipse, é o Deus de Jonas.

Ele chamou a Jonas e é Jonas que deve ir.

O Chamado de Deus é específico.

Nínive.

Deus mandou Jonas ir para Nínive. O Alvo de Deus era Nínive. Jonas não tinha a opção de escolher nenhuma outra cidade da Assíria. Nenhuma outra cidade, mesmo que fosse mais pervertida, violenta, pecadora do que Nínive. O Chamado de Jonas era para Nínive e para Nínive tão somente. Se Jonas percorresse toda a Assíria e levasse nesse percurso todos os anos de sua vida e nessa empreitada convertesse todas as cidades visitadas, ele não teria agradado a Deus. Deus queria Jonas. Deus queria Nínive. Deus queria Jonas pregando em Nínive.

Mesmo que, no primeiro momento que Deus mandou Jonas ir para Nínive e ele fosse; mesmo que Jonas tivesse imediatamente pregado em Nínive assim que chegou, se ele não tivesse pregado o que Deus mandou, teria sido tão desobediente quanto se não tivesse ido.
Deus mandou Jonas pregar em Nínive uma mensagem específica. Jonas não tinha a opção de mudar a mensagem. Jonas não tinha a opção de adaptar a mensagem. Jonas não tinha a opção de moldar a mensagem. Jonas tinha a obrigação de entregar a mensagem que recebeu de Deus.

Hoje, pregamos uma mensagem em que se fala de salvação, mas não se fala de arrependimento.

Por mais sucesso que Jonas viesse a ter nas ruas de Nínive em sua pregação. Ele continuaria aos olhos de Deus sendo rebelde, obstinado e desobediente se não pregasse a mensagem que Deus lhe Deus: chamar os ninivitas ao arrependimento.

Imagine os pregadores de hoje no lugar de Jonas tendo que dizer para os ninivitas: ou vocês se arrependem ou Deus destrói esta cidade.

Os ninivitas eram arrogantes, presunçosos e confiantes da força do império assírio e da grandeza de sua cidade.

Nínive não precisava de bênção nem de cura, Nínive precisava de arrependimento. Nínive precisava varrer das suas ruas a violência, das suas vidas a iniqüidade, da sua religião a idolatria, do seu coração o pecado.

Deus não desistiu de você, o chamado que ele lhe fez permanece. Eu não sei quantas vezes ele lhe chamou. Se uma vez, duas vezes, três vezes ou cem vezes. Mas ele vai continuar insistindo com você. E a ordem de Deus para você é: não fuja mais, obedeça hoje!
Ele (Deus) acredita em você. Ele lhe criou, lhe sustentou e vai lhe capacitar. Creia, neste momento, Deus está pronunciando o seu nome e mais uma vez a palavra do Senhor vem a você como veio a Jonas.

O melhor lugar para se estar é no centro da vontade de Deus.

O Chamado de Deus não é para qualquer coisa. Também, não adianta ir para onde Deus mandou, fazendo aquilo que Ele não mandou.

Mas isso desagradou extremamente a Jonas, e ele ficou irado. E orou ao Senhor, e disse: Ah! Senhor! não foi isso o que eu disse, estando ainda na minha terra? Por isso é que me apressei a fugir para Társis, pois eu sabia que és Deus compassivo e misericordioso, longânimo e grande em benignidade, e que te arrependes do mal. Agora, ó Senhor, tira-me a vida, pois melhor me é morrer do que viver. Respondeu o senhor: É razoável essa tua ira? Jonas 4:1-4

Então perguntou Deus a Jonas: É razoável essa tua ira por causa da aboboreira? Respondeu ele: É justo que eu me enfade a ponto de desejar a morte.. Jonas 4:9

Jonas,tinha ficado irado, ele é um homem ressentido e este ressentimento dele Deus viu como ira. A atitude de Jonas oferece um suporte para todas as manifestações de ira porque basicamente a pessoa se ira porque as coisas não saem como ela quer que saia. Ela deseja ter o controle de tudo, manipular tudo, ela tem os seus esquemas, sua visão, ela é caprichosa e quer que tudo suceda de acordo com os seus conceitos, ai de quem a desaponta. Ai daquele que ousa obstar o seu caminho. Foi o caso de Jonas, ele tinha idéias próprias e aquela pessoa que é muito sistemática, que tem as idéias próprias, que nunca cede está muito perto da ira e quando não é vitimada por ela a ira excitada, que é a cólera, por vezes tem um ressentimento, o amuo, fica amuada, cara emburrada, e por aí vai.
Mas a questão aqui é a pergunta “é razoável esta tua ira?”. Jonas não respondeu. Virou as costas e saiu.

E Deus depois faz uma segunda pergunta em outra acesso de ira de Jonas “é razoável esta tua ira por causa da planta?”. Ele respondeu: é razoável a minha ira até a morte. Por que Jonas estava irado? Por que nós nos iramos? Por que muitos de nós perdemos o controle? Por que muitos de nós guardamos ressentimento anos a fio?

Por que nos iramos? Nos iramos quando fazemos o que não queremos. Comecemos olhando a experiência de Jonas. Ele pregara a um povo que odiava. Ele pregou destruição quando Deus mandou pregar arrependimento. Ele não fez o que Deus mandou. Ainda quarenta dias e Nínive será destruída. Deus não disse isso. Ele pregou uma outra mensagem por conta própria e então Deus não honrou a palavra de Jonas porque não mandou que ele pregasse a destruição.

A cidade não foi destruída, a cidade se arrependeu, então Jonas ficou profundamente indignado. Não falei, não disse. Aqui está Jonas, “não falei, não disse, por isso que fugi para Tarsis pois sabia que és Deus clemente, misericordioso, tardio em irar, grande em benignidade e que te arrepender do mal. Ele sabia que se pregasse o povo se converteria, ele prega outra coisa, o povo se converte e Deus perdoa. Não era o fato era sim que não se cumpriu o que Jonas queria, as coisas não aconteceram como Jonas queria. E há gente que fica irado com isso pois o mundo não é como nós queremos que seja. Nem sempre as coisas acontecem como queremos que aconteça, não são os fatos é a nossa atitude perante o mundo, perante os fatos. Jonas não estava fazendo o trabalho com amor. O amor que Jonas possuía era o amor próprio, um amor próprio muito acentuado. Não amava as pessoas e na verdade não amava nem a Deus. Ele é rabugento mesmo.

Jonas amava os seus conceitos. Tinha uma visão pessoal e ela não se cumpriu . O que fez por ordem de Deus fez sem amor.

Deus disse a Jonas: vai a Nínive. Vamos colocar Jonas no porto do Rio de Janeiro e Deus dissesse para Jonas: toma o navio meu filho e vai para o Recife. Jonas pegou o caminho e foi para o porto de Santos. Não é apenas a questão geográfica, o lado oposto Em Isaías 66:24 nós lemos que Tarsis era um lugar onde a palavra de Deus não estava. Tarsis não tinha ouvido a palavra de Deus, era um lugar que nunca ouvira a palavra de Deus, Jonas vai para um lugar onde ele pensa que Deus não pode lhe falar. É bom poder controlar tudo, é bom não ouvir vozes discordantes, é bom que todos concordem conosco, ele queria ir para um lugar e acabou, por vias transversas chegando a Nínive, porque Deus tinha outro plano.
Ele tem um ego exagerado, é perfeccionista, tem um complexo messiânico (fora de mim não há salvação), só eu sei fazer isso, só eu sei reger, só eu sei pregar, só eu seio que é melhor para a igreja, eu tenho a solução. Quando esta pessoa sabe até mais do que Deus, como Jonas sabia, quando essa pessoa sabe mais do que todo mundo, esta pessoa acaba muitas vezes estando onde não gostaria de estar, aí vem a ira.

Toda a narrativa apresenta, também, o mais comovente contraste entre a terna misericórdia de Deus e a rebelião, impaciência e egoísmo do Seu servo, bem como entre a facilidade com que se arrependeram os ninivitas pela pregação de um profeta que os visitou como estrangeiro, e a dureza que os israelitas mostraram para com os servos do Senhor, que entre eles viviam e trabalhavam. Mas, indubitavelmente, o grande propósito do livro foi ensinar aos israelitas que a compaixão de Deus não se limitava a eles próprios, mas se estendia aos homens de todas as nações.

***OBS.: “Vale a pena ao estudante da bíblia, que deseja mais compreensão e mais profundidade na Palavra de Deus, a leitura do livro do profeta Naum. É um livro pequeno, mas que mostra todo o desgosto divino contra a cruel Assíria.”


Dados do autor:

Nome:
Pr. Rodrigo M. de Oliveira

Detalhes:
Professor de Teologia Sistemática na Cadeira de Apocalipse e Escatologia. Professor no Instituto Teológico Quadrangular.
Conferencista, e consultor teológico. Apologista Cristão Evangélico.
www.rodrigoteologia.blig.com.br
www.escatologia.blig.com.br