O açoite

Introdução: O açoite foi uma punição ordenada por Deus para a correção de alguém que cometeu crimes, sem morte, mas com ofensas pessoais pesadas, contra o próximo. Nos tempos do Século XXI, se fossem adotados açoites públicos em vez de cestas básicas, o resultado positivo seria maior. Os Hebreus usavam a vara para o açoite e os romanos, chicotes com pedaços de ossos e chumbo derretido nas pontas.

1 – A QUEM O AÇOITE ERA DESTINADO. AÇOITE NECESSÁRIO. Aos culpados por lutas braçais desnecessárias e perigosas: “Quando houver contenda entre alguns, e vierem a juízo para que os juízes os julguem, ao justo justificarão e ao injusto condenarão. E será que, se o injusto merecer açoites, o juiz o fará deitar e o fará açoitar diante de si, quanto bastar pela sua injustiça, por certa conta.” Dt 25. 1-2. O açoite era aplicado nas costas do julgado culpado.
Aos difamadores: “E o pai da moça dirá aos anciãos: Eu dei minha filha por mulher a este homem, porém ele a aborreceu; e eis que lhe imputou coisas escandalosas, dizendo: Não achei virgem tua filha; porém eis aqui os sinais da virgindade de minha filha. E estenderão o lençol diante dos anciãos da cidade. Então, os anciãos da mesma cidade tomarão aquele homem, e o açoitarão.” Dt 22. 16-18. A calúnia, a injúria e a difamação são crimes previstos nas leis dos homens.
Aos tolos: “Preparados estão os juízos para os escarnecedores e os açoites para as costas dos tolos. O açoite é para o cavalo, o freio, para o jumento, e a vara, para as costas dos tolos.” Pv 19. 29; 26. 3.

2 – O LIMITE DOS AÇOITES AO CULPADO. AÇOITE JUSTO. “Quarenta açoites lhe fará dar, não mais; para que, porventura, se lhe fizer dar mais açoites do que estes, teu irmão não fique envilecido aos teus olhos.” Dt 25. 3.
Paulo, o apóstolo dos gentios, foi castigado, mesmo sendo inocente, com dezenas de açoites. Recebi dos judeus cinco quarentenas de açoites menos um; três vezes fui açoitado com varas. II Co 11. 24-25. O açoite não era pena capital. A pena capital entre os hebreus, nos primórdios, se dava por apedrejamento.

3 – INOCENTES AÇOITADOS. AÇOITE COVARDE.
Jesus: “Tendo mandado açoitar a Jesus, entregou-o para ser crucificado.” Mt 27. 26. A ordem partiu de Pilatos. Alguns entendem que sendo Jesus muito castigado, e estando ensanguentado, Pilatos conseguiria comover a multidão e livrar Jesus; nem todos, porém, concordam com a interpretação. Na lei romana não havia número estipulado de açoites, ficava a cargo dos executores da penalidade.
Os discípulos: “E concordaram com ele. E, chamando os apóstolos e tendo-os açoitado, mandaram que não falassem no nome de Jesus e os deixaram ir.” At 5. 40. Eles foram açoitados por “infringirem a lei” que proibia pregar sobre Jesus Cristo.
Paulo e Silas: “E a multidão se levantou unida contra eles, e os magistrados, rasgando-lhes as vestes, mandaram açoitá-los com varas. E, havendo-lhes dado muitos açoites, os lançaram na prisão, mandando ao carcereiro que os guardasse com segurança, o qual, tendo recebido tal ordem, os lançou no cárcere interior e lhes segurou os pés no tronco.” At 16. 22-24. Açoitados por libertarem uma jovem do espírito de adivinhação.

4 – DEUS AÇOITA SEUS FILHOS POR AMOR. AÇOITE CORRETIVO. “E já vos esquecestes da exortação que argumenta convosco como filhos: Filho meu, não desprezes a correção do Senhor e não desmaies quando, por ele, fores repreendido; porque o Senhor corrige o que ama e açoita a qualquer que recebe por filho.” Hb 12. 5-6. Onde reina o zelo, reina a responsabilidade e a prestação de contas; estará presente a premiação ou a punição.
A família real de Davi recebeu tal indicativo: “Se os seus filhos deixarem a minha lei e não andarem nos meus juízos, se profanarem os meus preceitos e não guardarem os meus mandamentos, então, visitarei com vara a sua transgressão, e a sua iniqüidade, com açoites. Mas não retirarei totalmente dele a minha benignidade, nem faltarei à minha fidelidade.” Sl 89. 30-33.
O Salmo 38 é um histórico dos açoites que Davi recebeu de Deus. O propósito de Deus é que seus filhos não sejam condenados com o mundo. “Porque, se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados. Mas, quando somos julgados, somos repreendidos pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo.” I Co 11. 31-32.

5 – O NÍVEL DE AÇOITES DE ACORDO COM A TRANSGRESSÃO. “E o servo que soube a vontade do seu senhor e não se aprontou, nem fez conforme a sua vontade, será castigado com muitos açoites. Mas o que a não soube e fez coisas dignas de açoites com poucos açoites será castigado. E a qualquer que muito for dado, muito se lhe pedirá, e ao que muito se lhe confiou, muito mais se lhe pedirá.” Lc 12. 47-48. O texto é de caráter escatológico. Entendem os mestres que o castigo corretivo se dá no andamento da vida cristã, e não no dia do juízo; no tribunal de Cristo. Jonas foi açoitado pela tempestade; Nabucodonosor, pelos anos de pastagem no campo; e o filho pródigo, pelo desemprego e a fome. Estamos, por acaso, sendo açoitados por Deus?

6 – NEM TODOS OS AÇOITES PRODUZEM O EFEITO DESEJADO. Amós descreve a insensibilidade do povo de Deus em seus dias. “Por isso, também vos dei limpeza de dentes em todas as vossas cidades e falta de pão em todos os vossos lugares... Além disso, retive de vós a chuva, faltando ainda três meses para a ceifa; e fiz chover sobre uma cidade e sobre outra cidade não fiz chover; sobre um campo choveu, mas o outro, sobre o qual não choveu, se secou. E andaram errantes duas ou três cidades, indo a outra cidade, para beberem água, mas não se saciaram... Feri-vos com queimadura e com ferrugem; a multidão das vossas hortas, e das vossas vinhas, e das vossas figueiras, e das vossas oliveiras foi comida pela locusta... Enviei a peste contra vós, à maneira do Egito; os vossos jovens matei à espada, e os vossos cavalos deixei levar presos, e o fedor dos vossos exércitos fiz subir ao vosso nariz... Subverti alguns dentre vós, como Deus subverteu a Sodoma e Gomorra, e vós fostes como um tição arrebatado do incêndio... E nem assim Israel se converteu.” Am 4. 6-11.

Conclusão: Autoridades do mundo inteiro proclamam que a impunidade é o incentivo à criminalidade. Embora concordemos com as entidades dos direitos humanos no que diz respeito ao valor da pessoa humana, entendemos que a punição não pode ser dispensada e nem negociada; tais expedientes estão criando a sociedade doente e insensível para as futuras gerações.


FONTE / AUTOR :
Pr. Odair Alves de Oliveira Nascido em Uberaba MG, em 17 de novembro de 1952, é casado desde 21 de julho de 1973, com Orilene Felipe Néris Oliveira – Missionária.
Formado em teologia básica no Instituto Bíblico Ebenézer – Rio de Janeiro RJ; e EETAD – Campinas SP. Pastoreou Igrejas em Planaltina DF; Gurupi TO; Sobradinho DF; Gama DF; Philadelphia PA USA.
Escritor – Membro da ANE – Associação Nacional dos Escritores - DF
Site: www.pastorodair.com.br

 

ATOSDOIS a sua disposição!

Agenda, treinamentos online, e muito mais!


Agenda do Pr. Ricardo e da ICAD

Saiba onde estaremos ministrando.
CLIQUE AQUI

Curso online de Batalha Espiritual

Aprenda diretamente pela internet.
CLIQUE AQUI

Curso online Autoridade Territorial

Aprenda diretamente pela internet.
CLIQUE AQUI

Curso online Talento Enriquecedor

Aprenda diretamente pela internet.
CLIQUE AQUI

quer receber emails do pastor ricardo?

Coloque abaixo seu email e receba material de batalha espiritual, vídeos, estudos, e saiba mais sobre o trabalho do pastor.
Digite seu email:

Treinamentos em sua igreja

Convide o Pastor Ricardo. Escolha um tema abaixo!


Batalha Espiritual na mente (mindset espiritual)

Saiba mais e agende

mindset espiritual
Escola de Autoridade Territorial

Saiba mais e agende

autoridade territorial
CONGRESSO - O RETORNO DA ORAÇÃO

Saiba mais e agende

paternidade espiritual
Encontro de casais

Saiba mais e agende

encontro de casais