Untitled Document
visitantes online
...CONHEÇA-NOS...
Página inicial
Sobre o Pastor Ricardo
Referências
Nossa agenda
Galeria de fotos
Cadastro de pastores
Deixe um depoimento
Loja Virtual (novo)
Fale conosco
... 3064 ESTUDOS & ESBOÇOS ...
Apoio para pastores
Estudos bíblicos
Notícias
PNL Bíblica
Reflexões
Superação e Motivação
Procure aqui:
... NÓS EM SUA IGREJA ...
Treinamento de Autoridade Territorial
Treinamento de Paternidade Espiritual
Encontro de Casais
Treinamento de INTELIGÊNCIA Financeira

Convite: Encontro de Casais Edição 2015

Convite: Escola INTELIGÊNCIA FINANCEIRA

... VOCÊ CONOSCO ...
Receba Paternidade Espiritual
- Ricardo Ribeiro Coach
- Coaching Ministerial
- Coaching Comportamental
- Coaching in Company
- Palestras Motivacionais

O que é a última Trombeta de 1ª Corintios?
Tipo: Estudos bíblicos / Autor: Pr. Rodrigo M. de Oliveira

 
Pergunta do Leitor:

“Paz....
me tirem uma dúvida, o que o Apostolo Paulo inspirado pelo Espírito Santo quiz dizer em I Cor 15:52 ao mencionar "...ao ressoar da ultima trombeta...
Paz de Cristo”


Resposta:

A dúvida é natural no sentido de que muitos afim de contradizer o arrebatamento pré-tribulacionista, argumentam que esta última trombeta de 1ª Corintios 15, é a mesma dos julgamentos de Apocalipse, mais vejamos:

1 Coríntios 15.52: "...num momento, num abrir e fechar de olhos, ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados."

Esta trombeta de Deus chamará todos os santos de todos os tempos para a casa do Pai.

"Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro" (1 Ts 4.16). A trombeta de Deus aqui mencionada é a mesma de 1 Coríntios 15.52

A trombeta do Evangelho conclamando para a salvação em Jesus Cristo ressoou por quase dois mil anos. Em breve se ouvirá a última trombeta, o Evangelho deixará de ser pregado, a dispensação da graça chegará ao fim e a Igreja estará concluída, a sua plenitude terá sido alcançada. A Igreja será chamada para subir à casa do Pai.

Em que será que pensaram os tessalonicences, que em grande parte eram judeus, quando Paulo escreveu sobre a trombeta? O Apocalipse ainda não existia, portanto eles ainda não sabiam nada sobre as sete trombetas de juízo ali descritas. Por isso, certamente eles pensaram na trombeta da salvação de Números 10.2-10. Nesse trecho do Antigo Testamento são mencionadas duas trombetas que eram tocadas em certas ocasiões.

A ordem de Deus dizia: "Faze duas trombetas de prata; de obra batida as farás; servir-te-ão para convocares a congregação e para a partida dos arraiais" (Nm 10.2). Por um lado, portanto, estas trombetas de prata eram tocadas para convocar, chamar, juntar e reunir, e por outro lado para levantar acampamento e partir. Isso não tem sentido profético? Convocação (chamamento) = pregação do Evangelho para vir a Jesus ("muitos são chamados..."), até que a plenitude estiver reunida. Partida = ressurreição/arrebatamento para a casa do Pai.

As diferentes maneiras de tocar as trombetas significavam, entre outras coisas, o seguinte:

Quando as duas trombetas eram tocadas de maneira normal, isso servia para o chamamento e ajuntamento de toda a congregação na porta da tenda da congregação (Nm 10.3) = um chamamento para salvação.

Quando as trombetas eram tocadas a rebate, fortemente, como "sinal de alarme", isso indicava a ordem para partir. O último toque da trombeta era o sinal para juntar os pertences e partir = uma maravilhosa ilustração do arrebatamento.

Agora ainda ressoa a trombeta do Evangelho para chamamento e ajuntamento. Mas quando for tocada a última trombeta de Deus como "sinal de alarme" para o arrebatamento, ao mesmo tempo isto será um sinal para o ajuntamento de Israel, porque então terá chegado o tempo do seu salvamento. É o que se conclui de Números 10.9: "Quando, na vossa terra, sairdes a pelejar contra os opressores que vos apertam, também tocareis as trombetas a rebate, e perante o SENHOR, vosso Deus, haverá lembrança de vós, e sereis salvos de vossos inimigos."

Pelos motivos já mencionados e os que vamos acrescentar, a trombeta de Deus para o arrebatamento, não equivale às sete trombetas do Apocalipse (capítulos 8-11).

• A trombeta de Deus para o arrebatamento anuncia a conclusão da era da graça. Trata-se da trombeta da salvação. No seu som temos a salvação, o perdão e a vitória do Evangelho. Ela ressoa principalmente para a Igreja, mas também para Israel, no sentido de que então o remanescente será reunido.

• As trombetas tocadas pelos anjos em Apocalipse, entretanto, são todas trombetas de juízo sobre o mundo das nações que rejeitou a Cristo. Além disso, os vinte e quatro anciãos (a Igreja, veja Ap 4.9-11) já se encontram no céu por ocasião da sétima trombeta e anunciam a volta de Jesus e Seu reino (Ap 11.15-17ss).

OBS.: O que é alarido?

Alarido é "gritaria de guerra, clamor de combate". "Ruído de Vozes".


Leia também o artigo:

“Por que Cremos em um Arrebatamento Antes da Tribulação?”

Publicado aqui mesmo em Atos Dois.
 

  Você pode fazer um treinamento inividual sobre este ou um de nossos outros temas VIA SKYPE (video conferencia em tempo real) com o Pastor Ricardo Ribeiro ou um dos mestres do Ministério Apostólico Atos Dois. Clique aqui e saiba maiores informações.  


Escrito por: Pr. Rodrigo M. de Oliveira (Maiores informações no final da página)
 
Expresse sua opinião sobre o texto acima:
Lembre-se que os artigos deste site não expressam diretamente a opinião do Apóstolo Ricardo Ribeiro, uma vez que temos um grande número de colunistas que, apesar de renomados escritores, representam diversas posições teológicas. No entanto, temos um cuidado especial para que neste site não seja defendida nenhuma heresia, por isso seu contato nos ajuda a manter a integridade de nossos estudos e o cuidado na escolha dos colunistas.
 
Nome: Email: Assunto:
Escreva aqui a mensagem para nossa Administração, sobre o texto que você acabou de ler:
Outros artigos desta coluna:
Intimidade com Deus - Parte 2
O Rio da Graça
Escudo Que Brilha Reflete As Flechas Espirituais
Onde Foi Que Eu Errei?
A Alegria Precisa Ser Alimentada
O Maior Motivo de Todos
A aventura de Felipe
Duas Classes De Crente
Congregação dos ímpios.
 

O artigo acima é colaboração de " Pr. Rodrigo M. de Oliveira "
Professor de Teologia Sistemática na Cadeira de Apocalipse e Escatologia. Professor no Instituto Teológico Quadrangular.
Conferencista, e consultor teológico. Apologista Cristão Evangélico.
www.rodrigoteologia.blig.com.br
www.escatologia.blig.com.br

 
Destaques

 

Adquira nossos DVDs e livros diretamente em nossa loja virtual, e receba o material diretamente no conforto de sua residência.

Aproveite!
Clique aqui

 

:: AGENDA 2015 ABERTA ::

A agenda do Pr. Ricardo Ribeiro já está disponível. Saiba mais sobre sua proposta de trabalho para 2015 e agende uma visita em sua igreja:

- Treinamento de Autoridade Territorial
- Treinamento de Paternidade Espiritual
- Encontro de Casais
- Treinamento de INTELIGÊNCIA Financeira


* Frete incluído no valor (território nacional via correios).

Este livro foi escrito pelo Ap. Thiago Pixinine, discipulo do Ap. Ricardo Ribeiro, inspirado em muitas noites de estudo e conversa entre os dois.

Sinopse:

Posso dizer que foi no mínimo assustador descobrir que um dos maiores “inimigos” de Deus na história da humanidade, foi escondido nas linhas das Escrituras, por uma tradução banal que nos faz simplesmente ignora-lo. De fato os pouquíssimos estudiosos cristãos se dedicaram a investigar quem seriam estes “postes-ídolos” citados centenas de vezes na Bíblia, sempre sendo confrontados pelos profetas do Eterno. Quem são os “postes-ídolos”? Porque Deus sempre fez questão de denunciá-los. Será que eles simplesmente desapareceram, ou continuam “infiltrados” na sociedade moderna? Que tipo de mal os “postes-ídolos” podem trazer ao ambiente e as pessoas ao seu redor?
São muitas as perguntas, e muitas as respostas. Este não é apenas um livro, mas uma profecia. Meu objetivo é dar continuidade ao ministério profético de denúncia dos “postes-ídolos”, cujo nome original é “Asherá”.
Após a leitura deste livro, você nunca mais verá o mundo da mesma maneira. Asherá está em toda parte. Nas ruas, nas artes, na economia, na cultura, na religião, no calendário.

“Não estabelecerás poste-ídolo, plantando qualquer árvore junto ao altar do SENHOR, teu Deus, que fizeres para ti” Deuteronômio 16.21

Tamanho: 18 x 11 - 64 páginas.

Livro: Asherá - o Espírito por trás da Àrvore

* Preço incluindo frete por correio, em territorio nacional.

Kit com 5 Dvds com cerca de 10 horas de treinamentos da Escola de Liderança Avançada, realizado pelo Ap. Ricardo Ribeiro e colaboradores especiais.

Dentre os assuntos tratados:

- A liderança do Eu
- Liderança Assertiva
- Como utilizar o Rapport no aconselhamento 
- Liderança servidora
- Liderando em tempos de crise

O material é completo, filmado em alta definição no centro de convenções do Hotel Vila Nova, em Teresópolis Rj.

Kit de treinamento: Escola de Liderança Avançada

* Preço incluindo frete por correio, em territorio nacional.

Ao contrário do que muitos pensam, um calendário é muito mais do que uma ferramenta cultural. É uma estratégia espiritual. O calendário tem o poder de mover massas a realizarem festas, cerimônias, pactos e rituais.

O mundo é regido pelo calendário gregoriano, e maliciosamente é manipulado a feriados e festas envolvidas de paganismo e invocações. Até mesmo os dias da semana são homenagens a divindades nórdicas amaldiçoadas.

Poucos sabem que a Bíblia ensina o Calendário de Deus, e este tem suas bênçãos e dispensações liberadas para seu povo em particular.  

Este livro ensina tudo sobre a guerra dos calendários, além de fornecer estratégias de oração e guerra espiritual, envolvendo o calendário de Deus.

Formato: 21 x 14 - 84 páginas.

Livro: O Calendário de Deus

* Preço incluindo frete por correio, em territorio nacional.

Desde o início das civilizações e da relação de Deus com os homens, ficou muito claro o cuidado do Eterno com os nomes. Não é coincidência o fato de locais e pessoas da Bíblia terem nomes que explicam exatamente quem são. Babilônia significa confusão, Jerusalém, Paz.
Percebi que por onde Deus “passava” e via um nome desalinhado com seus propósitos, Ele mesmo corrigia o nome. Foi assim com Abraão, Sara, Israel, Paulo, Pedro.

Como Igreja, devemos fazer o mesmo, principalmente em relação ao Nome de Deus, fazendo assim cumprir-se a oração do Pai Nosso: “Santificado seja o Teu Nome”.

Qual será o verdadeiro nome de Deus? Qual será o nome do Filho? Sobre isso falaremos com profundidade neste livro.

Formato: 18 x 11 - 84 páginas.

Livro: O Nome de Deus





Desenvolvido por CAQ / A2 Webstudio - Acesse: www.atendimentodequalidade.com.br