Untitled Document
visitantes online
...CONHEÇA-NOS...
Página inicial
Sobre o Pastor Ricardo
Referências
Nossa agenda
Galeria de fotos
Cadastro de pastores
Deixe um depoimento
Loja Virtual (novo)
Fale conosco
... 3064 ESTUDOS & ESBOÇOS ...
Apoio para pastores
Estudos bíblicos
Notícias
PNL Bíblica
Reflexões
Superação e Motivação
Procure aqui:
... NÓS EM SUA IGREJA ...
Treinamento de Autoridade Territorial
Treinamento de Paternidade Espiritual
Encontro de Casais
Treinamento de INTELIGÊNCIA Financeira

Convite: Encontro de Casais Edição 2015

Convite: Escola INTELIGÊNCIA FINANCEIRA

... VOCÊ CONOSCO ...
Receba Paternidade Espiritual
- Ricardo Ribeiro Coach
- Coaching Ministerial
- Coaching Comportamental
- Coaching in Company
- Palestras Motivacionais

Para Expulsar Um Demônio eu Preciso Saber o Nome Dele ?!
Tipo: Estudos bíblicos / Autor: Pr. Sandro de Souza Oliveira

 
Para expulsar um demônio,
eu preciso saber o nome dele?

Dos cinco casos específicos em que Jesus expulsou demônios (Mc 1.23-28; Mc 5.1-9; Mc 7.24-30; Mc 9.14-29; Lc 13.10-13), em apenas um deles (Mc 5.1-9) Jesus perguntou a um demônio qual era seu nome. Sendo assim, em regra não é preciso saber o nome de um demônio para expulsá-lo, mas, como toda regra tem uma exceção, dependemos do Espírito Santo para nos guiar, quando for o caso de ser necessário saber o nome de um demônio. Em Marcos 5.9 Jesus perguntou ao espírito imundo: “...Qual é o teu nome? Respondeu ele: Legião é o meu nome, porque somos muitos.” Não creio que o Senhor queria tão somente deixar registrada a possibilidade de possessão por uma Legião, com a argumentação de que Ele é conhecedor de todas as coisas, e que portanto, já sabia de tudo a respeito daqueles demônios que estavam no gadareno (ou geraseno). O que foi que Jesus perguntou? “Quantos de vocês estão neste homem?” ou “Qual é o teu nome?” Se Jesus quisesse tão somente deixar registrada a possibilidade de possessão por uma Legião, Ele simplesmente ensinaria isso, da mesma forma que Ele ensinou em Mateus 12.45 que o demônio expulso pode voltar com outros sete espíritos piores do que ele, e não, fazer uma pergunta a um espirito imundo como uma forma de ensinar isso.

Para explicar melhor esta questão, vou ter que sair um pouco da demonologia e entrar um pouco na cristologia. Antes quero deixar bem claro que creio na doutrina da trindade. Bom! vamos lá: Que antes e após a sua encarnação Jesus era e é conhecedor de todas as coisas, isso é verdade, mas que durante a sua encarnação, Jesus foi conhecedor de todas as coisas, no meu modo de entender isso é pura “eisegese”. Exegese significa literalmente “extrair significado de”. Refere-se ao processo de buscar entender o que um texto quer dizer ou comunicar por si mesmo. Já “eisegese” significa “achar o significado em”. É usado para designar a prática de impor um significado preconcebido ou estranho a um texto, mesmo que tal significado não tenha sido a intenção original do autor.

No começo do seu evangelho João escreveu: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e O VERBO ERA DEUS.” (Jo 1.1) E no versículo “14” ele descreve a encarnação desse Verbo: “E o Verbo SE FEZ CARNE, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai.” Em Filipenses 2.6,7 Paulo descreve o que Jesus fez para se encarnar: “pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, A SI MESMO SE ESVAZIOU, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e reconhecido em figura humana”

Quer o esvaziamento tenha sido de uma forma imparcial (ou seja, Cristo se esvaziou de toda a plenitude da divindade, isto é, deixou de ser Deus) ou de uma forma parcial (Cristo se esvaziou apenas de seus atributos [Onipotência, Onipresença, Onisciência, etc] mas não deixou a forma de Deus, apenas assumiu também a forma humana, em outras palavras, assumiu também toda a plenitude da humanidade, sendo ao mesmo tempo 100% Deus e 100% homem), seja de uma forma ou de outra, é obvio, que durante a encarnação Ele não poderia ter seus atributos divinos, ou no mínimo, ele os tinha mas foram desativados, caso contrário, Ele não poderia ser modelo para nós.

Durante a encarnação de Jesus, as obras que Ele fez, somente as fez, pois foi ungido com o Espírito Santo e poder e por que Deus era com Ele (At 10.34). Infelizmente a humanidade de Jesus é um tema negligenciado entre os crentes, apesar de tudo quanto se diz o contrário, pois enfatizam tão-somente a divindade de Cristo. Na pratica muitos tem crido num Cristo docético, ou seja, num Cristo humano apenas na aparência; o que seria uma heresia antiga. De acordo com este ponto de vista, tudo quanto Cristo fez em sua missão terrena, como seus milagres e sua impecabilidade é atribuído a sua natureza divina. Porém, a verdade desta questão é que Jesus cumpriu a sua missão terrena como homem, dependendo do Espírito Santo, que lhe foi conferido sem medida (Jo 3.34), para ter todo o poder que exerceu. Embora não admitem, é exatamente por crerem num Cristo docético, que muitos torcem a passagem de João 14.12, se recusando a crer no que está escrito: “Em verdade, em verdade vos digo que aquele que crê em mim fará também as obras que eu faço, e outras maiores fará, porque eu vou para junto do Pai.” Fazer as mesmas obras que Jesus fez? E até outras maiores? Eu, um simples ser humano? Pois é, foi o ser humano Jesus quem disse estas palavras. Já fui muito questionado por teólogos e pastores, que dizem que Jesus falou “maiores” apenas no sentido de “quantidade” e não no sentido de “qualidade”. Será?!

Durante a sua encarnação, Jesus teve as limitações físicas que todo ser humano tem. Ele dormia (Mt 8.24), tinha fome (Mt 21.18), se cansava (Jo 4.6) e tinha sede (Jo 19.28). Teve também limitações intelectuais. Ele crescia em conhecimento (Lc 2.52), adquiria conhecimento pelas observações (Mc 11.13), adquiria conhecimento pelas perguntas (Mc 5.9,30; 8.5,23; 9.16,21), e por si próprio não tinha conhecimento do futuro (Mt 24.36). Teve também limitações morais. Ele foi tentado (Mt 4.1; Lc 4.1; Mc 1.12; Hb 2.18 e 4.15), sendo que Deus não pode ser tentado (Tg 1.13). E finalmente, Cristo teve também limitações espirituais. Ele venceu, não porque também era divino durante a encarnação, mas sim, porque era um homem consagrado e dedicado a Deus. Se assim não fosse, não teria poder, não teria orientação e teria sucumbido diante das tentações. Porém, Cristo foi um homem de oração (Lc 3.21,22; 5.15,16; 6.12,13; 9.18,28,29; 11.1; 22.39-46).

O termo “docético”, indica a posição daqueles que ensinam que todas as obras extraordinárias de Cristo em sua missão terrena, se devem à sua divindade, sendo que a humanidade de Cristo era apenas “aparente”. Muitos crentes ou teólogos evangélicos, embora em suas declarações doutrinárias digam o contrário, ensinam a heresia docética de uma forma parcial. É lógico que não a ensinam de uma forma plena, pois se assim fosse, teriam que ensinar também que os sofrimentos e a morte de Jesus não eram reais, porém, crêem parcialmente nesta heresia, quando atribuem as obras extraordinárias de Cristo durante a sua encarnação à sua divindade, e não, ao poder do Espírito Santo que estava sobre Ele. Todos os textos bíblicos usados para provar a inverdade de que Jesus era Onisciente (conhecedor de todas as coisas) durante a encarnação, no máximo provam o que já foi dito, que Ele adquiria conhecimento pela observação, pelas perguntas e que era um homem de oração que recebia revelações do Espírito de Deus (Mt 9.4; 17.27; Lc 19.41-44; Jo 1.47,48; 2.24,25; 4.17-19; 6.64; 16.30; 18.4; 21.17). Quem vê em Jesus nestes versículos, um Deus Onisciente se manifestando, se aproxima perigosamente de uma heresia chamada “docetismo”.

Agora! retornando para a demonologia, eu quero deixar bem claro que eu não estou usando a passagem de Marcos 5.9 para defender a livre consulta aos espíritos imundos. Não! mil vezes não. Quem consulta os espíritos são os espíritas. O que eu estou defendendo é uma vida como a de Jesus, uma vida consagrada de oração e jejum, na dependência do poder e da orientação do Espírito Santo (Lc 3.21,22; 4.1,14,18,19). Se o Espírito Santo não me revelar o nome do demônio, o demônio é expulso sem nome. Se o Espírito Santo me revelar o nome do demônio, o demônio é expulso com nome. Se o Espírito Santo (como fez com Jesus) me orientar a perguntar o nome do demônio ao mesmo, com certeza eu pergunto, e o demônio é expulso com o nome perguntado. Amem!
 

  Você pode fazer um treinamento inividual sobre este ou um de nossos outros temas VIA SKYPE (video conferencia em tempo real) com o Pastor Ricardo Ribeiro ou um dos mestres do Ministério Apostólico Atos Dois. Clique aqui e saiba maiores informações.  


Escrito por: Pr. Sandro de Souza Oliveira (Maiores informações no final da página)
 
Expresse sua opinião sobre o texto acima:
Lembre-se que os artigos deste site não expressam diretamente a opinião do Apóstolo Ricardo Ribeiro, uma vez que temos um grande número de colunistas que, apesar de renomados escritores, representam diversas posições teológicas. No entanto, temos um cuidado especial para que neste site não seja defendida nenhuma heresia, por isso seu contato nos ajuda a manter a integridade de nossos estudos e o cuidado na escolha dos colunistas.
 
Nome: Email: Assunto:
Escreva aqui a mensagem para nossa Administração, sobre o texto que você acabou de ler:
Outros artigos desta coluna:
Intimidade com Deus - Parte 2
O Rio da Graça
Escudo Que Brilha Reflete As Flechas Espirituais
Onde Foi Que Eu Errei?
A Alegria Precisa Ser Alimentada
O Maior Motivo de Todos
A aventura de Felipe
Duas Classes De Crente
Congregação dos ímpios.
 

O artigo acima é colaboração de " Pr. Sandro de Souza Oliveira "
Sandro de Souza Oliveira é pastor e vice-presidente da Igreja Batista do Calvário em Rio das Ostras – RJ. É autodidata e tem um chamado
com louvor e libertação.

 
Destaques

 

Adquira nossos DVDs e livros diretamente em nossa loja virtual, e receba o material diretamente no conforto de sua residência.

Aproveite!
Clique aqui

 

:: AGENDA 2015 ABERTA ::

A agenda do Pr. Ricardo Ribeiro já está disponível. Saiba mais sobre sua proposta de trabalho para 2015 e agende uma visita em sua igreja:

- Treinamento de Autoridade Territorial
- Treinamento de Paternidade Espiritual
- Encontro de Casais
- Treinamento de INTELIGÊNCIA Financeira


* Preço incluindo frete por correio, em territorio nacional.

Ao contrário do que muitos pensam, um calendário é muito mais do que uma ferramenta cultural. É uma estratégia espiritual. O calendário tem o poder de mover massas a realizarem festas, cerimônias, pactos e rituais.

O mundo é regido pelo calendário gregoriano, e maliciosamente é manipulado a feriados e festas envolvidas de paganismo e invocações. Até mesmo os dias da semana são homenagens a divindades nórdicas amaldiçoadas.

Poucos sabem que a Bíblia ensina o Calendário de Deus, e este tem suas bênçãos e dispensações liberadas para seu povo em particular.  

Este livro ensina tudo sobre a guerra dos calendários, além de fornecer estratégias de oração e guerra espiritual, envolvendo o calendário de Deus.

Formato: 21 x 14 - 84 páginas.

Livro: O Calendário de Deus

* Frete incluído no valor (território nacional via correios).

Este livro foi escrito pelo Ap. Thiago Pixinine, discipulo do Ap. Ricardo Ribeiro, inspirado em muitas noites de estudo e conversa entre os dois.

Sinopse:

Posso dizer que foi no mínimo assustador descobrir que um dos maiores “inimigos” de Deus na história da humanidade, foi escondido nas linhas das Escrituras, por uma tradução banal que nos faz simplesmente ignora-lo. De fato os pouquíssimos estudiosos cristãos se dedicaram a investigar quem seriam estes “postes-ídolos” citados centenas de vezes na Bíblia, sempre sendo confrontados pelos profetas do Eterno. Quem são os “postes-ídolos”? Porque Deus sempre fez questão de denunciá-los. Será que eles simplesmente desapareceram, ou continuam “infiltrados” na sociedade moderna? Que tipo de mal os “postes-ídolos” podem trazer ao ambiente e as pessoas ao seu redor?
São muitas as perguntas, e muitas as respostas. Este não é apenas um livro, mas uma profecia. Meu objetivo é dar continuidade ao ministério profético de denúncia dos “postes-ídolos”, cujo nome original é “Asherá”.
Após a leitura deste livro, você nunca mais verá o mundo da mesma maneira. Asherá está em toda parte. Nas ruas, nas artes, na economia, na cultura, na religião, no calendário.

“Não estabelecerás poste-ídolo, plantando qualquer árvore junto ao altar do SENHOR, teu Deus, que fizeres para ti” Deuteronômio 16.21

Tamanho: 18 x 11 - 64 páginas.

Livro: Asherá - o Espírito por trás da Àrvore

* Preço incluindo frete por correio, em territorio nacional.

Desde o início das civilizações e da relação de Deus com os homens, ficou muito claro o cuidado do Eterno com os nomes. Não é coincidência o fato de locais e pessoas da Bíblia terem nomes que explicam exatamente quem são. Babilônia significa confusão, Jerusalém, Paz.
Percebi que por onde Deus “passava” e via um nome desalinhado com seus propósitos, Ele mesmo corrigia o nome. Foi assim com Abraão, Sara, Israel, Paulo, Pedro.

Como Igreja, devemos fazer o mesmo, principalmente em relação ao Nome de Deus, fazendo assim cumprir-se a oração do Pai Nosso: “Santificado seja o Teu Nome”.

Qual será o verdadeiro nome de Deus? Qual será o nome do Filho? Sobre isso falaremos com profundidade neste livro.

Formato: 18 x 11 - 84 páginas.

Livro: O Nome de Deus

* Preço incluindo frete por correio, em territorio nacional.

Kit com 5 Dvds com cerca de 10 horas de treinamentos da Escola de Liderança Avançada, realizado pelo Ap. Ricardo Ribeiro e colaboradores especiais.

Dentre os assuntos tratados:

- A liderança do Eu
- Liderança Assertiva
- Como utilizar o Rapport no aconselhamento 
- Liderança servidora
- Liderando em tempos de crise

O material é completo, filmado em alta definição no centro de convenções do Hotel Vila Nova, em Teresópolis Rj.

Kit de treinamento: Escola de Liderança Avançada





Desenvolvido por CAQ / A2 Webstudio - Acesse: www.atendimentodequalidade.com.br