Tentação: Porque os crentes pecam?

Fonte: Pr. Cleidson – COC Teresopolis

Romanos 1.18 “Porque a ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detêm a verdade pela injustiça.

 

Existem homens que detêm a verdade pela injustiça; são profanadores do santo e da Palavra.

O que há por trás disso é impiedade e perversão.

Só pode transformar a verdade em injustiça quem conhece a verdade. Esse é o crente.

Quanto mais aumenta a quantidade de crentes deste país, mais aumenta a perversão e a iniquidade da nação.

 

Há um padrão que se repete desde o Éden:

 

Adão e eva estavam no Paraíso, mas a serpente os convenceu a abrir mão de tudo o que já tinham pelo prazer do fruto proibido. Isso se chama tentação.

A tentação te leva a deixar de ver o que você já tem para querer aquilo que não pode e que não precisa.

É por isso que homens casados largam uma linda esposa e uma família por um caso de adultério. É por isso que policiais abrem mão da honra pela corrupção. Um político que já é rico não para de roubar, porque mesmo “já tendo”, só vê o que não precisa e o que não pode; a tentação nunca para.

 

A tentação se manifesta na forma de questionamento. A serpente fez Eva pensar: “Não é bem assim; Deus está querendo me impedir de conhecer algo”. A maioria dos pecados do crente são baseados em argumentos. Pegamos um texto bíblico e fazemos uma exegese que nos favorece, mas a intenção de nosso coração não é outra senão comer o fruto da árvore; e acabamos pecando.

 

Pecamos com nossos comportamentos.

Pecamos com nossas atitudes.

Pecamos com nossas escolhas.

Pecamos com nossas palavras.

Pecamos com nossos pensamentos.

 

Deus disse para Eva: “Se comer morrerá”; a serpente disse: “Certamente não morrerá”. O diabo “contrabalanceia” as palavras do Pai para que fiquemos com dúvida ou divididos em relação àquilo que mais na frente será uma grande tentação. Então pensamos: “Porque não experimentar? Deus vai entender! Isso é questão de interpretação”.

 

Quando Davi viu Betseba, a serpente também o fez pensar: “Deus disse que não pode adulterar, mas você é Rei Davi; você pode”. Mais uma vez o diabo contrabalanceou.

 

A tentação nos faz criar adaptações para a Palavra e para a voz de Deus, no intuito de encontrarmos um espaço vulnerável para pecarmos.

 

Um casal de namorados faz sexo porque argumentam: “Deus sabe que já vamos casar”. É o argumento, é o questionamento; é a adaptação! É o pecado.

 

A tentação faz você olhar para a árvore e ver o fruto proibido brilhar mais. Faz você desejar a ponto de querer comer.

 

Aqueles que questionam e negociam a Palavra de Deus pecam e pagam um altíssimo preço. São expulsos do Eden; pagam o preço que Davi pagou e muito mais.

 

Voltando ao Éden. Toda tarde Adão e Eva ouviam os passos do Pai se aproximando do jardim, e felizes corriam para os braços do Pai. Mas após o pecado, viram que estavam nus e se esconderam. O pai pela primeira vez chegou e não encontrou os filhos alegres se jogando em seus braços. O pecado já havia entrado neles, e os fez abrir mão da Paternidade, por um fruto amaldiçoado.

 

Se este texto chegou até você, imagino que você precise desta palavra. Talvez você esteja cometendo pecados e sabe que está argumentando contra o Pai e sua Palavra. Fica procrastinando uma decisão de santificação, e aos poucos está se afastando do Éden e da Paternidade. Deixa eu te dizer: Neste momento, decida quebrar a aliança com o pecado. Vomite o fruto proibido e corra para os braços do Pai. Ele não desiste de você, e está te dando uma nova oportunidade. Shalom.

 

Deus abençoe e ótima semana,

Ap. Ricardo Ribeiro

www.atosdois.com.br